O uso histórico de origens de água subterrânea é bem conhecido na região, pois essas fontes ainda fornecem água de forma contínua. A avaliação de disponibilidades feita no contexto da elaboração do projeto permite prever que a reutilização dessas origens, de forma sustentada permitirá satisfazer as necessidades atuais de rega dos espaços verdes a abranger.

Como a redução da precipitação e subsequente escassez de água superficial são uma evidência clara das alterações climáticas na área do projeto (para as quais foram realizadas previsões de modelagem climática adicionais e detalhadas no estudo Clim.Adapt.Local), esta diversificação de origens de água é encarada como uma forma de adaptação sustentável para a rega de espaços verdes. A sua reutilização terá apenas em consideração os caudais provenientes de fontes naturais que atualmente não estão a ser utilizadas, não comprometendo os níveis dos aquíferos subterrâneos.

Estima-se que a (re)utilização sustentável de água subterrânea não tratada para rega de espaços verdes abranja cerca de 120.000 m3 de água por ano, atualmente fornecida pela albufeira de Monte Novo, que tem vindo a evidenciar escassez de água ao longo dos anos devido à redução da precipitação.